terça-feira, 22 de março de 2011

Blogagem Coletiva - Fases da Vida - Infância

O milagre


Acabei de fazer um bolo de aniversário para o Nicollas e fui dormir. Desci as escadas e ouvi um gemido, chamei Poliana e comentei que talvez Nicolle (3 meses) quisesse mamar. Poliana me respondeu que ela havia acabado de deixar o peito, mesmo assim, ela não se conteve e foi ver o motivo do gemido, coisas de mãe. Nesse momento, Poliana começou a gritar dizendo que sua filha estava morrendo. Quando Thiago segurou Nicolle ela estava toda mole e ficando roxa. Quando eles saíram de casa, eu entrei em desespero, achei que nunca mais fosse ver a minha neta. Não acreditava que ela conseguisse chegar viva ao hospital. Os médicos disseram que os pais se conformassem, mas eles, não podiam garantir nada, o bebê estava muito mal. 
Nicolle sobreviveu, para mim foi um milagre de Deus.
Hoje com oito anos.

Um dos momentos da infância da minha neta.












Deixo aqui um poema de Casimiro de Abreu, que retrata muito bem este  tema.

Meus oito anos.

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
À sombra das bananeiras,
Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias
Do despontar da existência!
— Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é — lago sereno,
O céu — um manto azulado,
O mundo — um sonho dourado,
A vida — um hino d'amor!

Que aurora, que sol, que vida,
Que noites de melodia
Naquela doce alegria,
Naquele ingênuo folgar!
O céu bordado d'estrelas,
A terra de aromas cheia
As ondas beijando a areia
E a lua beijando o mar!

Oh! dias da minha infância!
Oh! meu céu de primavera!
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã!
Em vez das mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minhã irmã!

Livre filho das montanhas,
Eu ia bem satisfeito,
Da camisa aberta o peito,
— Pés descalços, braços nus —
Correndo pelas campinas
A roda das cachoeiras,
Atrás das asas ligeiras
Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos
Ia colher as pitangas,
Trepava a tirar as mangas,
Brincava à beira do mar;
Rezava às Ave-Marias,
Achava o céu sempre lindo.
Adormecia sorrindo
E despertava a cantar!

 ................................

Oh! que saudades que tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais!
— Que amor, que sonhos, que flores,
Naquelas tardes fagueiras
A sombra das bananeiras
Debaixo dos laranjais!

17 comentários:

  1. Virginia,

    Como já comentei, essa blogagem foi o máximo.
    Na segunda fase é sobre a infância, que na minha opinião é a melhor fase de nossas vidas.
    Você sempre deixou transparecer que viveu momentos lindíssimos nesse lugar. Um post sobre isso, vai ficar simplesmente perfeito.
    Vou começar a preparar o meu, acho que vamos rir muito, no outro, choramos de emoção com os lindos depoimentos.
    Lindo poema.
    Oh! que saudades que tenho da aurora da minha vida!
    Lindo post.

    ResponderExcluir
  2. Dando uma atualizada no blog, quanta coisa bonita, ideias, pensamentos. Beijos Eliane

    ResponderExcluir
  3. Ai que vergonha!
    Me perdoa! Só agora reparei que não havia comentado sua postagem.
    Foi sem querer juro!

    Que susto vocês tomaram com sua neta. Nossa! Nem consigo imaginar a aflição de mãe pensando que sua menina pudesse não aguentar até ao hospital...

    Felizmente tudo correu bem e hoje ela é uma menina saudável e encantadora.

    Muito obrigada por ter participado na BCFV. Não sei o porquê de ter vc na minha lista e ter saltado comentário. Deve ter sido do cansaço final, rssss. As minhas maiores desculpas.

    Prometo não falhar na 2ªfase! Ok?
    Beijo além-mar.
    Rute

    ResponderExcluir
  4. Não tem importância, Agui está você, beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Virgínia!
    Percebi agora que você já publicou sobre a infância. O dia marcado é 15 de abril, mas já vamos considerar sua participação antecipada!
    Estava viajando e só agora pude ler, quando a Rute me avisou.
    Esse foi um momento difícil, mas com final feliz. Ainda bem! Olha a netinha aí toda sorridente!
    O poema foi muito bem escolhido. Feliz de quem tem bons momentos da infância para recordar!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Afinal...Virginia,
    vc me enganou sem querer :)

    Este artigo sobre infância só pode surgir na data de 15 ABRIL. Vê se consegue alterar a data dele no sitio onde se redige a postagem, colocando data futura.
    Bj,
    Rute

    ResponderExcluir
  7. Oi pessoal, eu fiz confusão, pensei que as postagens seriam até 15 de abril. Na data certa farei a postagem novamente. Desculpem-me pela antecipação. Beijos a todos.

    ResponderExcluir
  8. Minha querida Virgínia

    "Então ficaram todas as crianças a sua INFÂNCIA a passar seus anéis azuis de orvalho".

    Sei bem como reage uma vó diante do sofrimento de um neto...
    Sua netinha é linda e leva uma infância feliz pelo jeito e é isso que conta...
    A oração da vó vale muito e vc mostrou isso... parabéns!!!

    Hoje, o meu desejo de paz e alegria é para vcs que:
    "...estendem o seu conceito
    de vida,
    e a veem na gota de orvalho".
    (Lice)

    Obrigada pela sua linda participação...

    Orvalho do Céu é uma “Chuva de Néctar da
    Verdade”... ou Palavras de Deus...
    É isso que lhe desejo nesse tempo que estamos entrando...
    Uma Abençoada Semana Santa a uma Páscoa extremamente feliz!!!
    Bjs de paz e achocolatados

    ResponderExcluir
  9. Oi..to participando também...
    Parabéns pla sua neta pelo depoimento emocionado...Fases da Vida...tudo passa e graças a Deus tudo se transformou apenas em história, dessas para serem guardadas dentro do coração e da alma
    Um abraço na alma
    Bjo

    ResponderExcluir
  10. que lindas fotos,
    a infância é um momento mágico!estou participando dessa interação..
    Boas energias,obrigada pelo carinho
    um abraço amigo,
    Mari

    ResponderExcluir
  11. No primeiro momento, me deu um nó na garganta, mas depois fiquei feliz por tudo ter saído como Deus quiz..Lindo poema..Paz e bem

    ResponderExcluir
  12. Ola, Virgínia, que bela historia. Que sufoco deve ter sido aquela situação terrível com a sua netinha, mas a felicidade de ela ter ficado bem deve ser inesquecível! O poema do Casimiro de Abreu é lindo e bem escolhido!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  13. Que bom q tudo saiu bem e sua neta hoje é uma menina linda e forte. Muita saúde e realizações a ela. Muita paz!

    ResponderExcluir
  14. O milagre realmente aconteceu com sua neta. Deus seja louvado por isso, vendo-a agora tão linda e sorridente. Todas as bênçãos para ela e para vc. Bjbj

    ResponderExcluir
  15. Fico feliz por todos os comentários. Beijos a todos.

    ResponderExcluir
  16. Passei um susto assim com minha primeira neta,e o final não foi feliz pra nós que ficamos.Ela voltou para o PAI rapidinho!!!Bom que a sua está com 8 aninhos.Parabéns.Me emocionei com as lembranças,pois eu que fui na ambulância com a minha...Beijos...
    GOSTARIA DE DIVULGAR AQUI A PROMOÇÃO DE ANIVERSÁRIO DO MEU BLOG,QUE FAZ DOIS ANOS HOJE.AOS AMIGOS QUE VISITAREM DE HOJE AO DIA 30/04 ESTAREI SORTEANDO UM LIVRO A ESCOLHA DO GANHADOR,DENTRO DA TEMÁTICA DO SEU BLOG

    ResponderExcluir
  17. Oi, Zilda, sinto muito pela sua perda. Parabéns pelo aniversário do seu blog. Beijos.

    ResponderExcluir

O Arte Livre Vimajê fica muito feliz com o seu comentário.
Quando a curiosidade mata um gato. Não me deixe morrer. Muito obrigada pela gentiliza. Abraços.

Related Posts with Thumbnails